quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Campanha pela libertação do ativista camponês Fábio Paraíso da Luz



O Cebraspo - Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos, a Liga dos Camponeses Pobres e conjunto de organizações populares e democráticas divulgaram o cartaz da campanha pela libertação do camponês Fábio Paraíso da Luz, ativista da LCP, que se encontra preso injustamente desde julho passado.


Recentemente o juiz da Vara de Execução Penal negou o direito de Fábio à liberdade condicional.

Nos unimos a esta campanha conclamando os colaboradores, leitores e apoiadores do blog e de A Nova Democracia a divulgarem o cartaz da campanha, enviando-o para as suas listas de e-mail, imprimindo e afixando em locais de circulação.

8 comentários:

valdir madruga disse...

Valdir Madruga / Cel 9207 3493 Ji Paraná Ro.
CARTA ABERTA

Contaminados por DDT em Rondônia pedem Apoio

Vimos por meio desta, solicitar apoio político na causa dos servidores da FUNASA em Rondônia, que, assim como outros servidores deste órgão em todo o Brasil, durante várias décadas estivemos trabalhando em contato com o inseticida organoclorado DDT (Dietil-Dicloro-trietano) sem nenhum tipo de equipamento de segurança, tampouco, sem nenhum tipo de informação quanto ao poder tóxico deste produto.
O DDT foi descoberto e inicialmente utilizado durante a II Guerra Mundial para controlar a praga de piolhos que os soldados tiveram. Após o fim da guerra, com a alta letalidade do produto sobre os insetos, o DDT passou a ser utilizado no controle de pragas agrícolas e de interesse em saúde pública, como a malária. Países no mundo inteiro compraram o DDT que era fabricado no E.U.A, porém, com pouco mais de 10 anos de uso, os americanos descobriram este inseticida era letal na natureza e no próprio ser humano. Por isso, a partir do início da década de 60 o uso do DDT foi proibido (lá!), no entanto, os outros países do mundo, como o Brasil, continuaram a comprar o inseticida durante muuuuito tempo. No brasil o DDT foi utilizado pela FUNASA nas ações de controle de malária até 1990, e extra-oficialmente ele ainda foi aplicado até 1995.
Bem, o que está ocorrendo hoje no quadro de servidores da FUNASA, tanto naqueles que trabalham com saúde indígena quanto nos descentralizado que atuam nas Divisões de Endemias Brasil afora, problemas de saúde que variam desde paralisias de membros, degenerações de articulações, alterações neurólogicas e neuro-psiquísicas, como depressão e outros problemas que nem mesmo a Organização Mundial de Saúde conseguiu ainda descrever todas as possibilidades de danos fisiológicos que o DDT causa no organismos, sendo considerado o mais grave a alteração na camada de mielina das nossas células nervosas, cujo dano é irreversível. Por causa disso tem-se perda de memória, paralisias, perda de reflexos, etc.
Contaminação por ddt em Rondônia
No ano de 2005, por iniciativa de determinado advogado recém-chegado a Rondônia, os sucanzeiros começaram a fazer testes de intoxicação por DDT, particularmente mesmo, sem cobertura por plano de saúde e coisas assim. Quando os resultados começaram a chegar vindos lá da região centro-oeste, foi um espanto só de norte a sul de Rondônia, homens com níveis de DDT no sangue em quantidade 2, 3, 5, até quase 10 vezes maiores que o índice considerado normal para um ser humano.
Após o espanto, foram iniciadas algumas ações judiciais por danos materiais e morais decorrentes da intoxicação, uns gatos pingados tiveram a coragem de iniciar a ação, a maioria correu de medo das ameaças que trovoaram de dentro das salas administrativas da FUNASA em Rondônia.

valdir madruga disse...

Até mesmo na imprensa teve representante técnico da FUNASA defendendo a teoria que o DDT não causa os males que os sucanzeiros estão alegando, entre outras injustiças, ditas claro, por pessoas que nunca aplicaram o DDT nas casas, tampouco respiraram o veneno enquanto o mesmo era pesado manualmente para o trabalho no campo, entre outras situações absurdas às quais os guardas da SUCAM foram expostos na manuseio do inseticida.
Nos Estados do Pará e Acre também existem servidores que deram entrada em ações judiciais por intoxicação por DDT. No Acre a situação está bem grave
inclusive com mortes recentes de servidores intoxicados e outro que se encontra em estado
No Pará, há alguns anos os servidores entraram com ações pedindo indenizações por intoxicação, já ganharam na 1a. Instância mas a UNIÃO recorreu, e perdeu. No entanto, é certo que estas ações chegarão até o julgamento do STF pois não há jurisprudência quanto à responsabilidade administrativa da União pela intoxicação dos servidores da FUNASA em todo Brasil pelo manuseio do DDT.
Aqui em Jaru Rondônia, exceção são os poucos colegas cujo índice de DDT no sangue encontram-se dentro da normalidade, e mesmo entre aqueles cujos valores não são tão alarmantes, quase todos apresentam problemas crônicos de saúde e alterações psico-neurológicas.
Estamos pedindo apoio político nesta causa que é justa, porque nosso interesse é de recebermos justiça e não simplesmente dinheiro! Queremos ter condições de custear as despesas médicas e que os impactos desses problemas na vida pessoal possam ser minimizados. Principalmente, estamos pedindo apoio para projeto de lei que estenda o direito que hoje somente os professores têm:
a aposentadoria por 25 anos de serviço e 50 anos de idadel para servidores do sexo feminino que atuam nas ações de controle de endemias;
aposentadoria por 30 anos de serviço e 55 anos de idade para servidores dol sexo masculino que atuam nas ações controle de endemias.
“Por que essa discriminação?"
‘’Um professor se aposenta com 25 anos de serviço porque trabalha com o giz, material bem menos tóxico do que o DDT, por que nós, que estamos envenenados, que demos a nossa vida para matar o mosquito da malária e salvar milhões de outras vidas, também não podemos ter direito, por que essa discriminação com a gente?’’, questionou Waldyr Madruga e acrescento ainda que o último exame realizado revelou um percentual de 7,11% da presença de DDT no meu organismo.
‘’Eles nunca tiveram respeito pela gente. Quando íamos para a zona rural não tínhamos nem lugar para acampar. Quantas vezes não dormir em chiqueiro de porco ou curral de boi. Agora, eles continuam nos relegando o segundo plano, escondendo da opinião pública que estamos doentes. Deixando-nos morrer a míngua’’, desabafa Waldyr Madruga.

Os sucanzeiros fazem parte da história do Brasil, principalmente na região Norte, heróis que salvaram muitas vidas e que ainda em muitos locais perdidos nestes confins de mundo amazônico, são os únicos que levam o atendimento que o poder público deve ao povo brasileiro. Merecemos respeito, principalmente os que deram a saúde e até mesmo a vida por este trabalho

Anonymous disse...

Parabens Valdir pela coragem, e Liberdade já Para Fábio!! O reacionário monopólio de comunicação não fala a Verdade.

Não há nada que ele não pontue. Cumpre com denodada acuidade seu papel na luta de classes, marcação cerrada. Seja um acontecimento numa pequena cidade do interior, um fato acontecido em outro país ou continente, um ato da burocracia, uma manifestação reivindicativa, tudo vira alvo de sua esgrima reacionária. Seus editoriais ou os artigos assinados por seus escribas pretendem sempre ser a última palavra ou verdadeiros éditos imperiais. Seus epítetos são definidores do bem e do mal aos quais vão alocando pessoas e instituições conforme seu rigoroso filtro ideológico.

São sete famílias que "produzem" a informação no Brasil e algumas dezenas de deputados federais e senadores que as reproduzem nos estados e centenas de chefetes políticos que o fazem nos municípios. Todos ligados intimamente às quatro grandes redes internacionais de comunicação que exercem o monopólio a nível mundial, buscando a todo custo estabelecer o pensamento único no planeta.

A manipulação da informação, dando-lhe o caráter de sua classe é a marca do monopólio de comunicação: os camponeses pobres são taxados de bandidos; os latifundiários são empreendedores do agro-negócio; os patriotas da resistência iraquiana são terroristas; Bush é paladino da luta pela paz; as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia são narcotraficantes; O Papa é santo; o comunismo morreu e o capitalismo é o fim da história.

Por todos os meios de propaganda o imperialismo ataca para fomentar o conformismo e a idéia de que não é possível mudar nada. O monopólio dos meios de comunicação se esmera para encobrir a grande crise que enfrenta a economia imperialista e conjura o perigo de um grande levantamento das massas que o derrubaria e a seus patrões.

CORRENTE ATITUDE SOCIALISTA MARABÁ disse...

SOMOS SOLIDARIOS COM A LUTA DOS INTOXICADOS. AQUI NO PARÁ LUTAMOS JUNTO COM OS SINDICATOS PARA QUE A LUTA DOS CAMARADAS NÃO SEJA EM VÃO. SÓ GOSTARIA DE DIZER AO MADRUGA E AOS DEMAIS CAMARADAS INTOXICADOS QUE NÓS PROFESSORES NÃO TEMOS ESSES PRIVILÉGIOS QUE OS VCS ACHAM QUE TEMOS. ESTAMOS FERRADOS COM ESSE SALARIO DE FOME QUE OS GOVERNOS, TANTO O MUNICIPAL QUANTO O ESTADUAL NOS PAGAM. AS VERBAS PARA MELHORAR O SALARIO DOS EDUCADORES EXISTEM. ISSO ELES PROPAGANDEIAM, MAS SÓ ESQUECEM DE DIZER QUE EXISTEM MILHARES DE PREFEITOS VAGABUNDOS E SALAFRARIOS QUE NÃO PAGAM OS PROFESSORES DIGNAMENTE. POR ISSO E MUITO MAIS NÃO NOS CONSIDERAMOS PRIVILEGIADOS. COM 25 ANOS DE SERVIÇO O PROFESSOR QUE CUMPRE SUA TAREFA DE FATO CHEGA CAINDO AOS PEDAÇOS F... E MAL PAGO. TENDO QUE ATURAR LULA, MANTEGA, A ELITE PODRE DESSE PAIS E ATÉ VER GUERRA DE CORONEIS SAFADOS NO SENADO...."EU QUERIA TER UMA BOMBA..."(CAZUZA)
EDIVALDO VIANA- (MARABÁ-PARÁ)

Anonymous disse...

Esse sujeito da foto pode ter cara de tudo, menos de camponês.

Anonymous disse...

Ele parece mesmo é traficante, ou então miliciano, menos quem trabalha duro na terra.

Anonymous disse...

Anônimo, você pode parecer tudo, mas com certeza é um retardado.

recuse resista disse...

ANONIMO,VC PODE PARECER TUDO,MAS COM CERTEZA É UM RETARDADO E BOIOLA.