terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Pela imediata punição dos assassinos do Companheiro Elias e pela desapropriação da Usina Utinga

Reproduzimos nota da Liga dos Camponeses Pobres do Nordeste

No dia 8 de dezembro, quarta-feira, às 17 horas, o companheiro Elias Francisco Santos da Silva foi assassinado dentro do Acampamento Lageiro, município de Messias (Alagoas) em terras da Usina Utinga. Foi um assassinato covarde e brutal, o companheiro foi morto com três tiros de escopeta, calibre 12, sendo um deles disparado contra seu rosto. Logo após o ataque, as famílias acampadas, com medo, abandonaram a área. A própria PM quando chegou ao local do crime foi recebida a tiros pelos assassinos que ainda estavam de tocaia na mata.

[nggallery id=6]

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Depois da invasão a diversão

Depois da cobertura espalhafatosa e bombástica que o monopólio dos meios de comunicação, particularmente sua facção dominante, deu à invasão do complexo do Alemão chegou a hora de mostrar que o rio está em paz e que tudo vai as mil maravilhas. Afinal é natal. Para tal montou-se um mega show de Roberto Carlos nas areias de Copacabana.

Desta vez coube a gerência municipal dar sua mostra de truculência, como tem feito com os camelôs e moradores de favelas, promoveu um “choque de ordem” no trânsito de Copacabana impedindo os carros de moradores de voltarem para casa. Foram pessoas doentes, mulheres grávidas, gente que chegava de viagem enfim não haviam exceções. Quer dizer isso não é bem verdade uma exceção foi aberta para um carro da tal facção dominante do monopólio dos meios de comunicação.

Veja o vídeo postado em http://ricardo-gama.blogspot.com/.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Não é só no Brasil que ser pobre é crime

p { margin-bottom: 0.21cm; }

Buenos Aires: O parque Indo americano de Vila Soldati, em Buenos Aires, vem sendo ocupado por inúmeras famílias, em sua maioria imigrantes paraguaios e bolivianos. Sem condições de conseguirem melhor moradia, proliferam as barracas de lona. Como é de praxe, os reacionários locais, como o prefeito de Buenos Aires, Mauricio Marci, atribuem o problema à “imigração descontrolada” e a “organizações criminosas”.

A população resistiu a uma ordem judicial de desocupação e enfrentou as polícias Federal e Metropolitana. Como também é costumeiro, o discurso fascista acaba conquistando uma parcela significativa da pequena burguesia, apavorada com sua própria decadência. Vimos isso no Rio e em Buenos Aires moradores dos bairros próximos resolveram expulsar, por conta própria, os ocupantes, também entrando em confronto com estes.

No saldo, três mortos, sendo um a tiros e, entre os feridos, vários baleados, todos entre os ocupantes do parque. E como também é padrão, a “justiça” abre um inquérito para verificar se as balas partiram de policiais ou de algum extraterrestre de passagem no local. As imagens de TV mostram a Polícia Federal agredindo um sem teto no chão.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Vera Mallaguti sobre o Rio de Janeiro e Segurança Pública: ‘Não sei se é fascismo ou farsismo’





Por Gabriel Brito e Valéria Nader
Correio da Cidadania




Após mais uma onda de violência na cidade do Rio, o Brasil se deparou com um espetáculo deprimente de suas mazelas sociais e humanas. Após traficantes desceram ao asfalto, promovendo assaltos e queima de veículos, por razões ainda pouco esclarecidas, novamente a cidade se viu em pânico. Situação inflada pela cobertura espetacularizada da grande mídia, que por sua vez endossa sem parar as políticas fracassadas de mera repressão à ponta pobre do tráfico, isto é, nos morros.

Em entrevista ao Correio da Cidadania, a socióloga Vera Malaguti, secretária geral do Instituto Carioca de Criminologia (ICC), criticou duramente os governos estadual e federal, especialmente em relação à entrada das forças armadas na questão, de legalidade questionável. "Tudo é ilegal aqui. Estamos vivendo em regime de exceção", afirmou, referindo-se também às violências cometidas contra moradores inocentes das áreas invadidas pelas forças oficiais.

Para ela, tal processo é parte de uma política de ocupação de áreas pobres, idealizada pelos EUA há décadas, que visa também garantir um controle militarizado da vida das pessoas, além de abrir caminho para "os negócios transnacionais e olímpicos".

O jornalismo veste a camisa

Por Sylvia Moretzsohn
Publicado no Observatório da Imprensa


Quando recebeu, no início de novembro, um prêmio de telejornalismo pelas entrevistas com os generais Leônidas Pires Gonçalves e Newton Cruz sobre os bastidores da ditadura no Brasil, Geneton Moraes Neto escreveu uma "pequena carta aos que gastam sola de sapato fazendo jornalismo" em que afirmava: "Fazer jornalismo é produzir memória". E concluía com a seguinte definição:


"Fazer jornalismo é desconfiar, sempre, sempre e sempre. A lição de um editor inglês vale para todos: toda vez que estiver ouvindo um personagem – seja ele um delegado de polícia, um praticante de ioga ou um astro da música – pergunte sempre a si mesmo, intimamente: por que será que estes bastardos estão mentindo para mim?"

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Perú: Novo ataque a helicóptero deixa três feridos em Ayacucho.

Com informações de Dazibao Rojo

Lima, 17/12/2010
No que o monopólio dos meios de comunicação de Lima classifica como “ofensiva do Sendero” notificou-se um novo ataque da guerrilha comunista a um helicóptero do exército na zona de Pichari, Ayacucho.

O Aparato de fabricação russa MI-17 realizava, segundo fontes militares, uma missão de patrulha e caiu em uma emboscada do Exército Popular de Libertação. Três efetivos militares foram feridos, o capitão Chistian Gastellú Paredes, o técnico superior Julio Sotelo Rubina e o técnico de segunda Marlon Palacio Huaraca. A aeronave se retirou, tendo sido alvejada várias vezes.

Esta nova ação se soma ao recente enfrentamento no alto Huallaga onde foram feridos outros três militares, entre os quais outro capitão, quando protegiam um grupo de erradicadores em Tocache.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Greve geral, manifestações e novos confrontos na Grécia

Milhares de manifestantes tomaram as ruas de Atenas ontem, 14 de dezembro, atendendo ao chamado de greve geral de 24 horas, convocada pelos sindicatos, contra o “plano de austeridade” imposto pelo governo “socialista”.

Tais medidas foram impostas pela zona do euro, pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que emprestaram à Grécia US$ 110 bilhões de euros há nove meses em troca de severas mudanças na economia, para tentar refrear as manifestações da crise geral do capitalismo naquele país. Obviamente trata-se de austeridade para o povo e lucro para os bancos.

Os enfrentamentos ocorreram nas proximidades do Parlamento grego e a população, armada de pedras e coquetéis Molotov, enfrentou a repressão policial entoando palavras de ordem como: “Ladrões! Ladrões! Devolvam o dinheiro do povo!” “Papandreou (nome do primeiro ministro), o povo não te quer! Saia do país!”.

Segundo afirmou Stathis Anestis, porta-voz do sindicato GSEE, a greve paralisou quase totalmente as refinarias, estaleiros, portos, o setor energético e várias indústrias. Em empresas e Bancos semi-estatais a participação na greve foi de 90%.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Libertar Mumia!

Relatório da manifestação em Londres, em 09/11/2010 (escrito pelos organziadores)

Em 9 de Novembro passado, os apoiadores do “Combater o Racismo! Lutar contra o Imperialismo”! de Londres, juntaram-se à Campanha de Defesa de Mumia Abu Jamal, à Liga Socialista George Jackson, ao Partido Popular Socialista Africano e outros grupos no combativo protesto em frente à embaixada do USA em Londres.

A manifestação fazia parte de uma movimento global no dia em que equipe de advogados de Mumia apresentou uma sustentação oral perante o Terceiro (Circuito)Tribunal de Apelação do USA, na Filadélfia. Outras manifestações ocorreram na Alemanha, França, também nos Estados Unidos e outros países.

Mumia Abu Jamal é um jornalista revolucionário, que foi membro fundador da seção da Filadélfia do Partido dos Panteras Negras. Ele ganhou reputação como a "voz dos sem voz", dando cobertura e solidariedade às lutas das pessoas pobres e oprimidas de todo o mundo, especialmente, por sua cobertura do bombardeio feito pelo departamento de polícia de Filadélfia, em 1985, do complexo onde os membros da organização MOVE estavam vivendo .

Ele, Mumia, foi condenado à morte pelo assassinato do policial Daniel Faulkner, da Filadélfia, em um julgamento abertamente racista, com supressão de provas vitais, mudança das declarações de testemunhas e ameaças de morte contra a equipe de defesa. Mumia foi condenado por um crime que não cometeu!

Um locutor do “Combater o Racismo! Lutar contra o Imperialismo!” falou sobre o caráter racista do Estado imperialista, da luta de Mumia, e da luta dos republicanos irlandeses, negros e povos muçulmanos contra a polícia racista britânica e o sistema carcerário. Cânticos e músicas dos apoiadores da campanha de Mumia Abu Jamal garantiram que a manifestação fosse animada e fez sentir a sua ativa presença.

Combater o racismo! Lutar contra o imperialismo!” ofereceu o seu apoio total à Mumia, e continuará a trabalhar para evitar o seu assassinato pelas mãos do imperialismo  norte-americano.
Agradecemos pela reportagem do “Combater o racismo! Lutar contra o imperialismo!
Há também vídeo sobre a demonstração:

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

100 anos de Noel Rosa

Leonardo Gaudio


Em 11 de Dezembro de 1910, em Vila Isabel nascia Noel de Medeiros Rosa, popularmente conhecido com Noel Rosa. Foi iniciado na música por sua mãe, Dona Martha, quando essa lhe ensinou a tocar bandolim. Verdadeiro amante da música, começou suas composições com influências da música nordestina que ia se popularizando no Rio de Janeiro no fim dos anos 20. Chegou a tocar músicas sertanejas até chegar ao samba. Compôs músicas como a conhecida Com que roupa, que era um retrato da miséria que os mais pobres passavam naquela época e é tocada e cantada pelos músicos populares até hoje, para relembrar aquele que foi considerado o primeiro poeta do samba.




segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Violência no Rio e tráfico como justificativa para execuções em massa

Os Estado brasileiro tenta legitimar as últimas ofensivas de guerra nos morros cariocas através da justificativa de combate ao tráfico de drogas. As autoridades dizem que o grande mal que assola o Rio de Janeiro é o alto índice de violência, roubos, assaltos e que tudo isso ocorre por causa do tráfico.

Os monopólios de imprensa, em uma demonstração de incondicional apoio a ação, tentam a todo custo levar a opinião pública a acreditar que jovens de 15, 16 anos ou recém-saídos da adolescência têm capacidade e logística suficiente para levarem as drogas sozinhos até as favelas, se abastecerem sozinhos com armas de uso exclusivo das forças armadas, enfim organizarem todo o tráfico.


Greve na Unifesp: Por melhores condições de ensino*

Comitê de apoio a AND em São Paulo


Em setembro de 2010, estudantes da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) campus Baixada Santista (Cidade de Santos, litoral de São Paulo) iniciou uma campanha pela permanência estudantil e no dia 30 do mesmo mês realizaram um ato, entregando um manifesto de reivindicações à direção.

Como já era de se esperar a resposta não foi satisfatória e no dia 06 de outubro em assembleia, os estudantes deflagraram greve tendo como principais reivindicações:

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Sem-terra é morto a tiros em Alagoas

SÍLVIA FREIRE
FOLHA DE SÃO PAULO


Um coordenador da LCP (Liga dos Camponeses Pobres) em Alagoas foi morto a tiros na tarde de ontem em um acampamento de sem-terra no município de Messias (38 km de Maceió).


Elias Francisco Santos da Silva, 31, foi atingido por disparos vindos de uma mata próxima ao local, segundo integrantes do movimento. Ele morreu no local. O agricultor deixou mulher e seis filhos.


A Polícia Civil abriu inquérito para apurar a morte. Ninguém foi preso até o início da tarde desta quinta-feira (9).


Cerca de 80 famílias ligadas à LCP estão acampadas no local há aproximadamente um ano. A área pertence à usina Utinga Leão, que, segundo integrantes do movimento, já obteve na Justiça a reintegração de posse da área. A saída das famílias está sendo negociada.


Segundo Ana da Silva, coordenadora da LCP, algumas famílias já deixaram o acampamento com medo de novos ataques.


Além da LCP, há na área pertencente à usina três acampamentos da CPT (Comissão Pastoral da Terra) e outros do MTL (Movimento Trabalho, Luta e Liberdade).


No ano passado, a Utinga Leão, alegando passar por crise financeira, reduziu a produção e deixou de pagar salários aos trabalhadores. O governo do Estado chegou a distribuir cesta básicas aos funcionários


Foto do Enterro de Elias Francisco Santos da Silva - Fonte Boca de Caera - Colaborador de AND em Alagoas


quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Blog do AND de casa nova

Comunicamos a mudança de endereço do blog do Jornal A Nova Democracia para http://blog.anovademocracia.com.br. Solicitamos a nossos seguidores que se recadastrem no novo blog.

Entrevista exclusiva com pastor que teve a casa saqueada por policiais

O desabafo de uma vítima

da polícia na Vila Cruzeiro


Nota de Patrick Granja, publicada no BLOG do jornal A Nova Democracia










Imagem da entrevista de Ronai ao jornal Correio Brasiliense

No sábado, dia 4 de dezembro, a equipe de reportagem de AND esteve na casa do pastor e morador da Vila Cruzeiro, Ronai Braga, de 32 anos, que como mostra um vídeo feito pelos repórteres do jornal Correio Brasiliense, teve a sua casa invadida, revirada, depredada e saqueada por policiais durante a mega-operação militar das tropas do Estado reacionário nos complexo de favelas da Penha e do Alemão.


Em entrevista exclusiva, Ronai falou do momento em que percebeu que sua casa havia sido invadida e relatou o seu sentimento de revolta e indignação. A esposa de Ronai, a todo o momento, chorava e interrompia a entrevista para extravasar toda a sua frustração. Isso porque os 31 mil que Ronai economizou durante 8 anos, seriam gastos com uma nova moradia, financiada pela Caixa Econômica Federal, fora da Vila Cruzeiro, pois segundo o pastor, “a região não é um bom ambiente para se criar filhos”.

As pessoas que dizem que eu sou bandido, que esse dinheiro era do tráfico, não sabem o que é você estar agarrado a um sonho, estar com ele em suas mãos e, de repente, ir tudo por água abaixo. Trabalhar e lutar pelo seu sonho e, em um instante, tudo desaparecer. È a maior dor que um ser humano pode sentir — lamenta.



Acompanhada de um membro do Conselho Popular do Complexo do Alemão e de um representante da Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência, nossa equipe fotografou os documentos que comprovam a origem do dinheiro roubado pelos policiais e as evidências de que as tropas invasoras sabiam que Ronai não era ligado ao tráfico, como seus ternos de pastor, bíblias e seus documentos que estavam em cima da mesa, mas mesmo assim roubaram seu dinheiro e destruíram a sua casa.

Meu filho mais velho tem 9 anos e veio me perguntar ‘papai, foram os policiais que fizeram isso?’. O que eu vou dizer para ele? Sempre ensinei meu filho a ser honesto. Outro dia ele chegou em casa com a borracha de um coleguinha do colégio e eu dei uma bronca nele por ter pedido emprestado e não ter devolvido. Agora a polícia vem aqui e faz isso? O que eu vou dizer pra ele? O que ele vai ficar pensando do Estado e da polícia? — pergunta Ronai.



Imagens da documentação que comprova a origem do dinheiro roubado:





Crescem denúncias de abusos de policiais no Complexo do Alemão e Vila Cruzeiro

Moradores denunciam abuso policial no Complexo do Alemão e na Vila Cruzeiro.
Depoimentos colhidos por Patrick Granja no local.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Julian Assange é preso na Suécia


Leonardo Gaudio


Julian Assange, fundador do Wikileaks, site que divulgava documentos secretos sobre a agressão ianque contra os povos do mundo foi preso. O Wikileaks revelou documentos importantes da agressão contra o Iraque e Afeganistão e ainda sobre Guantânamo, e revelou mais de 250 mil correspondências diplomáticas ianques.
Descaradamente visando encobrir a motivação política da perseguição contra Julian Assange, desqualificando-o, a Interpol emitiu ordem de prisão “por suspeita de estupro e agressão sexual”.

A perseguição torna-se ainda mais clara quando o banco suíço no qual o Wikileaks abriu uma conta para arrecadar fundos para a defesa de seu fundador, simplesmente cancelou a conta alegando que recebeu informações falsas do correntista.

Kristinn Hrafnsson porta-voz do wikileaks avisou que o trabalho de divulgação dos documentos secretos continuará, dizendo ainda que qualquer desenvolvimento relacionado com Julian Assange não vão mudar os planos que temos em relação às publicações de hoje e nos próximos dias.

Disse ainda que o site será mantido por um grupo em Londres e em outros locais.

Dentre os milhares de documentos divulgados existe um que fala da aprazível cidade mineira de Araxá, conhecida nacionalmente por seus doces e internacionalmente por concentrar 75% da produção mundial de nióbio que tem como uma de suas utilizações principais o processo de enriquecimento de urânio. Segundo o documento divulgado pelo Wikileaks o impérium afirma que um ataque contra este local afetaria a segurança do USA. Ou seja Se acham no direto de “proteger” um recurso mineral que, em tese, nem deles é. Não é por acaso que vale tudo para impedir a divulgação destes documentos.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Dilma quer espalhar terror fascista pelo país inteiro


A gerente recém-eleita, empolgada com a operação no Complexo do Alemão, afirmou que tudo foi apenas um laboratório e que a “experiência” deve ser ampliada. Colocar a Marinha para patrulhar a Bahia de Guanabara, comprar aviões de configuração conhecida como COIN (contrainsurgência) para “patrulhar fronteiras”, usar as forças armadas para “livrar outras comunidades do tráfico”, foram alguns dos temas debatidos no conclave fascista que reuniu na segunda-feira, 29 de novembro, além de Roussef, o ex Libelú e futuro chefe da casa civil, Antônio Palocci, o governador e o vice do Rio.
Na avaliação do vice-governador, a convergência pela repressão é benéfica para as forças armadas, porque elas são criticadas por estarem “ajudando” no Haiti e não no Brasil. Sem dúvida, existem críticas à participação do Brasil na invasão ao Haiti, cujo único objetivo é liberar soldados ianques para atuarem no Iraque e no Afeganistão. Mas quase ninguém quer tornar o Brasil um novo Haiti.
Já Luiz Inácio, no apagar das luzes de sua gerência, afirma, ao estilo de seus chefes do norte, “(As Tropas) vão ficar o tempo que for necessário para garantirmos a paz”. Ou seja, ficarão por muito tempo, já que com o aprofundamento da crise e a falta de perspectivas oferecidas pelo oportunismo será inevitável o acirramento da revolta popular. Ai restará aos governantes tachar todos de traficantes.
Um fato merece ainda destaque, os blindados da Marinha voltaram a circular, agora com jornalistas do monopólio dos meios de comunicação, particularmente de sua facção hegemônica. Tudo para sentirem o clima da ação. É o “bonde da contrapropaganda”.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Unidos pela opressão


Não bastasse o total escracho e falta de pudor no monopólio da TV, os meios de comunicação porta-vozes das classes reacionárias aproveitaram-se de seus boletins semanais: as revistas Veja, Istoé e Época para ecoar sua rede de mentiras e a propaganda fascista. A ordem é fazer propaganda do Bope, como diz o pústula Alexandre Garcia, os “heróis do Rio de Janeiro”. Esta é a capa da Veja: um oficial do Bope com o rosto camuflado, um carro pegando fogo ao fundo e todo o clima dos seriados policiais ianques. A Época estampa a caveira do Bope quase do tamanho da capa. Sobra fascismo e falta criatividade. A Istoé coloca o Cristo redesenhado, com o colete do Bope e cinturão de balas atravessado no peito. Resta saber se a Igreja Católica vai processar a revista por uso indevido da imagem, como fez com o filme 2012, onde a estátua é tragada por um maremoto, ou como João XXIII, apenas benzerá os tanques de Mussolini.

sábado, 27 de novembro de 2010

Petroleiros classistas se organizam


Ocorreu no dia 20 de novembro no Norte Fluminense o I Seminário de Organização do GLP (Grupo de Luta dos Petroleiros). Nessa atividade, esse grupo formado e temperado em lutas desde o ano 2000 discutiu e aprovou seu programa político, que segundo seus integrantes servirá de carta de princípios para a organização do trabalho de base e de uma corrente classista no movimento sindical petroleiro. No programa aprovado na atividade e recebido por AND, os petroleiros estabelecem como primeiro objetivo do GLP “Organizar um movimento de petroleiros, resgatando o caráter classista de organização sindical. Superar a consciência de categorias, integrando a luta dos petroleiros com a luta de toda a classe operária e de todas as classes oprimidas.”
Durante a atividade, a tônica das discussões foi ainda sobre a amplitude de domínio do movimento sindical por parte do oportunismo governista e ainda da falsa esquerda eleitoreira, apontando para a necessidade da categoria romper com a estrutura sindical oficial que vem desde a era Vargas. Continuam os petroleiros dizendo que para isso o caminho é forjar um movimento classista de petroleiro amparado num vigoroso movimento de organizações por local de trabalho (OLTs) e Comissões de Base por todas as 46 plataformas e 3 bases de terra de Macaé –RJ. Para elevar o nível de organização e luta, os militantes do GLP apontam para a necessidade de organizar um movimento permanente de oposição de base, que rompendo com o atrelamento do movimento sindical ao Estado, possa unir funcionários da Petrobrás e de empresas terceirizadas, além de aposentados e pensionistas, sob uma mesma bandeira. O objetivo disso é resgatar direitos atacados pelas gerências de FHC e Lula, buscando a igualdade de condições de trabalho, mas tendo claro ainda que a classe não pode conceber que irá se libertar, acabando com a escravidão assalariada dentro dos marcos do capitalismo. Diz o GLP que os petroleiros num crescente de lutas devem se somar a luta de todo o povo brasileiro contra a dominação do jugo imperialista e das classes dominantes reacionárias, na busca de construção de um novo tipo de poder, em que as classes exploradas de nosso país possam de fato de decidir seu destino.
O programa político é resultado da forja que esses petroleiros passaram ao longo de dez anos. A perspectiva agora é, segundo eles, ampliar as formas de organização, com um plano de comunicação, divulgando uma cartilha sobre a organização de base, estabelecer um canal de denúncia através do e-mail glpnf@yahoo.com.br e intensificar orientações de luta para organizações de base já existentes, tendo em vista antecipar os indicativos da Federação Única dos Petroleiros, que ao longo do calendário das negociações rebaixam as campanhas e promovem traições diversas sobre a categoria.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A Guerra do Rio – A farsa e a geopolítica do crime


Foto Globo
José Claudio S. Alves, sociólogo da UFRRJ
Nós que sabemos que o “inimigo é outro”, na expressão padilhesca, não podemos acreditar na farsa que a mídia e a estrutura de poder dominante no Rio querem nos empurrar.
Achar que as várias operações criminosas que vem se abatendo sobre a Região Metropolitana nos últimos dias, fazem parte de uma guerra entre o bem, representado pelas forças publicas de segurança, e o mal, personificado pelos traficantes, é ignorar que nem mesmo a ficção do Tropa de Elite 2 consegue sustentar tal versão.
O processo de reconfiguração da geopolítica do crime no Rio de Janeiro vem ocorrendo nos últimos 5 anos.
De um lado Milícias, aliadas a uma das facções criminosas, do outro a facção criminosa que agora reage à perda da hegemonia.
Exemplifico. Em Vigário Geral a polícia sempre atuou matando membros de uma facção criminosa e, assim, favorecendo a invasão da facção rival de Parada de Lucas. Há 4 anos, o mesmo processo se deu. Unificadas, as duas favelas se pacificaram pela ausência de disputas. Posteriormente, o líder da facção hegemônica foi assassinado pela Milícia. Hoje, a Milícia aluga as duas favelas para a facção criminosa hegemônica.
Processos semelhantes a estes foram ocorrendo em várias favelas. Sabemos que as Milícias não interromperam o tráfico de drogas, apenas o incluíram na listas dos seus negócios juntamente com gato net, transporte clandestino, distribuição de terras, venda de bujões de gás, venda de voto e venda de “segurança”.
Sabemos igualmente que as UPPs não terminaram com o tráfico e sim com os conflitos. O tráfico passa a ser operado por outros grupos: milicianos, facção hegemônica ou mesmo a facção que agora tenta impedir sua derrocada, dependendo dos acordos.
Estes acordos passam por miríades de variáveis: grupos políticos hegemônica na comunidade, acordos com associações de moradores, voto, montante de dinheiro destinado ao aparado que ocupa militarmente, etc.
Assim, ao invés de imitarmos a população estadunidense que deu apoio às tropas que invadiram o Iraque contra o inimigo Saddam Hussein, e depois, viu a farsa da inexistência de nenhum dos motivos que levaram Bush a fazer tal atrocidade, devemos nos perguntar: qual é a verdadeira guerra que está ocorrendo?
Ela é simplesmente uma guerra pela hegemonia no cenário geopolítico do crime na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.
As ações ocorrem no eixo ferroviário Central do Brasil e Leopoldina, expressão da compressão de uma das facções criminosas para fora da Zona Sul, que vem sendo saneada, ao menos na imagem, para as Olimpíadas.
Justificar massacres, como o de 2007, nas vésperas dos Jogos Pan Americanos, no complexo do Alemão, no qual ficou comprovada, pelo laudo da equipe da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, a existência de várias execuções sumárias é apenas uma cortina de fumaça que nos faz sustentar uma guerra ao terror em nome de um terror maior ainda, porque oculto e hegemônico.
Ônibus e carros queimados, com pouquíssimas vítimas, são expressões simbólicas do desagrado da facção que perde sua hegemonia buscando um novo acordo, que permita sua sobrevivência, afinal, eles não querem destruir a relação com o mercado que o sustenta.
A farsa da operação de guerra e seus inevitáveis mortos, muitos dos quais sem qualquer envolvimento com os blocos que disputam a hegemonia do crime no tabuleiro geopolítico do Grande Rio, serve apenas para nos fazer acreditar que ausência de conflitos é igual à paz e ausência de crime, sem perceber que a hegemonização do crime pela aliança de grupos criminosos, muitos diretamente envolvidos com o aparato policial, como a CPI das Milícias provou, perpetua nossa eterna desgraça: a de acreditar que o mal são os outros.
Deixamos de fazer assim as velhas e relevantes perguntas: qual é a atual política de segurança do Rio de Janeiro que convive com milicianos, facções criminosas hegemônicas e área pacificadas que permanecem operando o crime?
Quem são os nomes por trás de toda esta cortina de fumaça, que faturam alto com bilhões gerados pelo tráfico, roubo, outras formas de crime, controles milicianos de áreas, venda de votos e pacificações para as Olimpíadas? Quem está por trás da produção midiática, suportando as tropas da execução sumária de pobres em favelas distantes da Zona Sul? Até quando seremos tratados como estadunidenses suportando a tropa do bem na farsa de uma guerra, na qual já estamos há tanto tempo, que nos faz esquecer que ela tem outra finalidade e não a hegemonia no controle do mercado do crime no Rio de Janeiro?
Mas não se preocupem, quando restar o Iraque arrasado sempre surgirá o mercado financeiro, as empreiteiras e os grupos imobiliários a vender condomínios seguros nos Portos Maravilha da cidade.
Sempre sobrará a massa arrebanhada pela lógica da guerra ao terror, reduzida a baixos níveis de escolaridade e de renda que, somadas à classe média em desespero, elegerão seus algozes e o aplaudirão no desfile de 7 de setembro, quando o caveirão e o BOPE passarem.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Da chibata ao caveirão*


  Há 100 anos, no dia 22 de novembro de 1910, marinheiros rebelaram-se contra os castigos físicos que sofriam. Dentre os líderes da revolta estava João Cândido, filho de ex-escravos, estrato social da maioria dos marinheiros. Os poucos brancos originavam-se do nordeste, migrantes da seca de 1877. A oficialidade, nos camarotes, parecia inglesa.
Os castigos físicos na Marinha haviam sido abolidos pelo Decreto nº 03 da República, de 1889, mas foram reintroduzidos pelo Decreto 328 de 1890 e somente revogados definitivamente pelo Decreto 2280 de 1910, que também concedeu anistia, condição imposta pelos revoltosos para cessar o movimento.
Em 2008 o presidente Lula sancionou a Lei 11756 reanistiando os revoltosos, mas vetou o parágrafo que possibilitava o pagamento de pensão aos descendentes dos heróis populares, único dispositivo que poderia produzir efeito real.
A Revolta da Chibata é um dos mais relevantes movimentos sociais da história do Brasil. Marca o momento no qual os pobres se organizaram e disseram não à insensibilidade e brutalidade da classe dominante. No momento de sua ocorrência a Zona Sul da Cidade do Rio de Janeiro havia sido preparada para a elite e o Centro remodelado para seus negócios e divertimentos, deixando os subúrbios e os morros para os pobres. Para a abertura da Avenida Central, hoje Rio Branco, foram removidos cerca de 350 cortiços, e banidas as famílias que neles habitavam.
Hoje, jovens pobres e negros já não sofrem açoites legais. Mas, morrem em decorrência de similar política que reprepara, com suas UPPs, a Zona Sul para a elite. Já não é o açoite que mata. É o caveirão, a política de extermínio e a indiferença dos que se acreditam seguros em suas zonas protegidas, tal como a oficialidade em seus camarotes.

João Batista Damasceno
Cientista político e juiz de Direito membro da Associação Juízes para a Democracia
*Artigo publicado no jornal O Dia de 24 de novembro de 2010

terça-feira, 23 de novembro de 2010

A luta do povo saharaui contra o colonialismo


No dia 15 de novembro, o blog odiodeclasse.blogspot.com publicou uma nota divulgado que “o Estado Maior do Exército Popular de Libertação Saharaui – EPLS, definiu um plano de ação “urgente” contra a escalada no Saara Ocidental ocupado.”
Centenas de jovens saharauis se mobilizaram e protestaram a favor do retorno da guerra de libertação, reclamando à direção saharaui que adote uma posição mais firme para salvar seu povo do jugo e repressão marroquina nos territórios ocupados no Saara Ocidental.
O blog também repercutiu uma denúncia acusando o governo espanhol de cumplicidade e participação nas atrocidades cometidas pelo governo do Marrocos contra o povo saharaui.
A luta pela autodeterminação do povo saharaui é uma luta totalmente justa que merece a solidariedade e apoio de todos os oprimidos do mundo. O povo saharaui está submetido há mais de cem anos de colonialismo e mais de 28 anos de ocupação militar marroquina em sua terra. - afirma a denúncia.

Perseguição à pobreza atinge artistas de rua


Foto UOL
Mais uma vez o Estado brasileiro dá mostras de sua fascistização, criminalizando o povo que tenta sobreviver com o mínimo de dignidade nas ruas das grandes cidades.
Na capital paulista, desde dezembro de 2009 a prefeitura e o Governo de Estado assinaram um acordo que colocou em marcha a chamada Operação Delegada para expulsar os ambulantes da Av. Paulista. Não satisfeitos em perseguir os ambulantes, agora mostram suas garras também para os artistas de rua. Alega-se que exercem atividades comerciais, quando, na verdade recebem doações voluntárias, pois ninguém é obrigado a pagar para ver as demonstrações, ao contrário de quando se compra alguma coisa. Ou seja, legalmente são duas coisas diferentes. Mas a justiça é cega e leis devem servir apenas para perseguir os pobres e não para dar-lhes direitos.
Policiais decretaram que artista sem autorização não fica de jeito nenhum na Av. Paulista. Obviamente que se uma emissora do monopólio dos meios de comunicação resolve filmar uma cena de novela, a Avenida pode até ser parcialmente fechada e a polícia fará até segurança. Bom, mas eles conseguem a tal permissão...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Manifestação em frente a embaixada da China exige a libertação de Zhao Dong-min.


No dia 18 de novembro manifestantes se postaram em frente a Embaixada da China e exigiram a imediata libertação do advogado chinês Zhao Dong-min. A manifestação foi organizada pela ABRAPO – Associação Brasileira dos Advogados do Povo, IAPL – International Association of People’s Lawyers, Liga Operária e CEBRASPO – Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos. Operários, advogados e estudantes de direito demonstraram o total repúdio à política fascista do governo da China de perseguir e encarcerar quem luta contra o regime de escravidão e corte de direitos a que são submetidos os trabalhadores no país.
Maiores informações no site da Liga Operária


quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Apoiar a imprensa popular e democrática política e materialmente




Direção de A Nova Democracia

Atendendo à reivindicação de apoiadores e leitores que têm se manifestado nos últimos dias com questionamentos e manifestações de apoio, publicamos aqui a argumentação da direção de AND sobre nossa iniciativa de restringir o acesso à integra do jornal na internet aos assinantes e apoiadores.


Procuramos aqui abrir espaço para que os leitores e apoiadores de AND possam dar suas opiniões e debater essa questão, para que possamos construir juntos o trabalho da imprensa popular e democrática.

Desde seu primeiro número, AND sempre foi um porta voz da luta popular. Muitas vezes a única voz a se contrapor ao monopólio dos meios de comunicação defendendo o direito do povo lutar por seus direitos. Sempre fizemos isso e disso não abrimos mão. Nossa linha editorial é bastante clara a esse respeito.
Se nunca tivemos maiores problemas em elaborar o conteúdo do jornal, sempre foi um desafio fazê-lo chegar às mãos do leitor. Sendo impossível fugir da trama do monopólio no que se refere à distribuição, é uma árdua batalha fazer que um jornal de pequena tiragem chegue onde precisa chegar. Sendo assim o trabalho de comitês de apoio espalhados pelo país permite que o mesmo chegue em lugares fora do interesse das distribuidoras comerciais.
A criação do site e seu desenvolvimento permitiram que atingíssemos um número imensamente maior de pessoas. Hoje temos cerca de 40 mil acessos por mês somente no site e o blog tem crescido dia a dia.
Se chegamos até aqui foi graças a muito esforço e ao apoio dos mais diferentes setores do movimento popular. Este apoio sempre foi e continua sendo indispensável para manter uma infraestrutura básica para o funcionamento, bem como para o pagamento de pessoal e despesas, fixas ou extraordinárias.
Nossa decisão de restringir o acesso gratuito a nossa página na internet não se trata nem de uma atitude de desespero, nem, tampouco, de um recuo em nossos princípios. É, sim, da necessidade de manter o jornal e impulsioná-lo para frente. O apoio político e material dos leitores das mais diversas condições à imprensa popular e democrática é indispensável e é com ele que contamos para desempenhar a tarefa de tocar o jornal.
Não se trata também de um tudo ou nada. Analisaremos casos como leitores de cidades onde o jornal não chega ou outros problemas que possam surgir, podendo-se reduzir o valor cobrado. Sendo assim, é importante que nosso leitor se manifeste, no blog ou pelo e-mail anovademocracia@gmail.com.
A questão essencial é que é justo ajudar materialmente algo em que acreditamos. Principalmente quando se sabe que o dinheiro não é para locupletar quem quer que seja, mas para sustentar uma trincheira tão importante na propaganda da necessária revolução de nova democracia no Brasil.

População de Rafael Jambeiro-BA destrói Câmara e tenta linchar parlamentares

Rafael Gomes

Na manhã da última sexta-feira, 12/11, a população do município de Rafael Jambeiro, a 215 quilômetros de Salvador, Bahia, destruiu a Câmara Municipal da cidade e tentou linchar os vereadores que aprovaram as contas de 2008 do ex-prefeito Joeldeval de Souza (PMDB), rejeitadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).
Entre as irregularidades estão a emissão de 19 cheques sem fundo que totalizaram R$ 60 mil, o pagamento de R$ 260 mil a uma construtora antes da emissão da nota fiscal, ausência e problemas em licitações, despesas em valor exorbitantes superiores a R$ 300 mil sem os processos de pagamento, pagamentos de R$ 50 mil com recursos do Salário Educação para outras finalidades, contratação de servidores sem concurso e despesas com combustível sem especificar a quais veículos.
Segundo a população, ainda há indícios de irregularidades na utilização dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – Fundeb.
Após a votação das contas, os manifestantes atiraram cadeiras nos vereadores e viraram o carro usado pelo presidente da Câmara de cabeça para baixo.
A polícia foi acionada, mas não conseguiu impedir a fúria da população e teve que pedir reforços no município vizinho de Santo Estêvão. O sargento Paulo Roberto em desespero disse que “Foi preciso dar um tiro para cima para tentar acalmar os ânimos, já que não temos outros recursos como gás ou bomba de efeito moral”. Após o ocorrido, os parlamentares de Rafael Jambiro temem serem linchados pela população ao saírem de suas casas.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Haitianos responsabilizam tropas invasoras pela epidemia de cólera


Rafael Gomes
 Protestos populares explodem em todo o Haiti em meio ao surto de cólera que já matou mais de mil pessoas. 
Desde o dia 9 de novembro, multidões enfurecidas atacam as tropas invasoras da ONU em resposta à permanente agressão contra o povo.
Os haitianos acusam a ONU pelas terríveis consequências provocadas pelo cólera e responsabilizam as tropas nepalesas por haverem introduzido a bactéria do cólera no país com a chegada do seu último contingente de militares.
Mais de 16 mil haitianos estão internados e cresce a cada minuto o número de mortos. Estima-se que 50 haitianos morrem por dia em decorrência da contaminação pela bactéria do cólera.
Durante os confrontos, que se radicalizaram no dia 10, dois haitianos foram mortos e dezenas de pessoas ficaram feridas. Em Cap-Haitien, segunda maior cidade do país e onde se iniciaram os protestos, uma delegacia foi incendiada. Manifestantes atacaram postos da ONU com paus e pedras e deixaram seis “capacetes azuis” (como são conhecidos os soldados das forças invasoras nepalesas) feridos.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Vídeo sobre a ação covarde da polícia na Taboinha

Postamos agora um vídeo relacionado à postagem de ontem, 10/11 "Moradores da Vila Taboinha resistem corajosamente à reintegração de posse"

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Moradores da Vila Taboinha resistem corajosamente à reintegração de posse

Taboinha
Mais Fotos
Patrick Granja

Na última sexta-feira, mais de 260 famílias da favela Vila Taboinha, na zona oeste do Rio, receberam uma notificação da juíza da primeira vara cível da Barra da Tijuca, Érica Batista de Castro, anunciando o despejo de todos os moradores e a demolição de suas casas em 48 horas. No processo, a juíza argumenta que as famílias, que ocupam o terreno há cinco anos, já sabiam que seriam removidos do local desde 2008, mas as lideranças comunitárias dizem que somente na sexta-feira receberam o aviso de reintegração de posse.

Ontem, a equipe de reportagem de AND foi ao local acompanhar de perto a heróica resistência dos moradores da Vila Taboinha, que desde as 7h da manhã, já ocupavam a única entrada da favela com faixas e bandeiras. Cerca de 100 metros adiante, onde se localizam as primeiras casas, uma imensa barricada havia sido montada pelos moradores após um mutirão na madrugada do dia anterior.

Mesmo assim, a tropa de choque da PM de Sérgio Cabral aproveitou a distração dos moradores e, de surpresa, começou a atirar bombas de gás e balas de borracha, ferindo crianças, mulheres e idosos. Segundo as manchetes mentirosas do monopólio dos meios de comunicação, os moradores teriam começado o tumulto ao atirar pedras contra os PMs. Um dos cinegrafistas de AND acompanhou de perto a ação e contou que os moradores foram atacados de maneira covarde pela tropa de choque.

Aí sim, a massa não se calou e atirou pedras e tijolos contra os PMs. Apenas alguns minutos após a ação moradores já haviam retornado ao acesso à Vila Taboinha para impedir a entrada da polícia. A equipe de reportagem da Rede Globo foi expulsa da favela e impedida de filmar depois da primeira edição do RJ TV, quando repórteres, ao vivo, acusaram os moradores de serem pagos pela milícia para promover a manifestação.

Às 20h, uma liminar garantiu a permanência da Taboinha por mais 30 dias e o reassentamento de todas as famílias, mas os moradores ainda não decidiram se vão aceitar a proposta dos gerenciamentos de turno. Decepcionados, os proprietários do terreno foram embora diante da vitória das 260 famílias que moram no local, apoiadas pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos, Rede Contra Violência, Movimento União Popular, Conselho Popular, Pastoral de Favelas e várias outras organizações.

Índia: Metade da população rejeita a farsa eleitoral no estado de Bihar


No dia 2 de novembro, aconteceu no estado de Bihar — leste da Índia — a 4° fase das eleições para a assembléia legislativa, depois de três turnos nos dias 21, 24 e 28 de outubro. Bihar é o 12º maior estado da Índia e tem a 3ª maior população do país, da qual 58% têm menos de 25 anos. Com 85% das pessoas vivendo no campo, cada dia mais, a população de Bihar embrenha-se no luminoso caminho da guerra popular.
Meses antes da realização da farsa eleitoral, o Exército Guerrilheiro Popular de Libertação, o EGPL, dirigido pelo Partido Comunista da Índia (Maoísta), levava a cabo uma massiva campanha de boicote às urnas pelas ruas de Bihar. E os 568 candidatos que disputavam 42 vagas no parlamento burguês tiveram que se engalfinhar por apenas metade dos votos, já que a campanha de boicote à farsa eleitoral e a crescente adesão da população de Bihar à guerra popular teve seus reflexos nas urnas. Nos distritos de Jamui, Munger e Lakhisaraida 49% da população não votou, assim como em Lok Sabha, 46%, Khagaria, 47% e Bhagalpur, 48%. Segundo esses números, a média de abstenções nos quatro turnos foi de 4,7 milhões de indianos.
Além disso, o EGPL fez ações nas áreas rurais de Bihar para impedir o deslocamento das forças paramilitares, da polícia e do exército indiano, que mobilizaram um contingente de 60 mil homens para garantir a farsa eleitoral. Uma ponte na estrada de chakai-Jamui, distrito de Jamui, foi minada pelo EGPL, impedindo a passagem das tropas dos Estado reacionário indiano. Em Danapur, a explosão de bombas nas zonas eleitorais durante a madrugada fez com que a votação fosse cancelada.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Deputado da Federação Russa denuncia farsa de Katyn

Em nossa edição impressa (brevemente no ar)publicamos um artigo sobre a farsa de Katyn, onde comentamos sobre um vídeo de um deputado da Federação Russa mostrando várias provas sobre o fato.
Publicamos aqui o referido vídeo.

Deputado da Federação Russa denuncia farsa de Katyn from Luiz Carcerelli on Vimeo.

100 Anos da Revolta da Chibata

Em nossa edição impressa (brevemente no ar)  publicamos um artigo sobre o tema onde citamos a bela letra da música Intitulada O Mestre Sala dos Mares, de João Bosco e Aldir Blanc mutilada pela cesura do gerenciamento militar. Aqui publicamos um vídeo onde é cantada a letra alterada mas a legenda preserva o original.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Avança a greve dos serventuários da justiça no Rio de Janeiro


Patrick Granja

Desde o dia 18 de outubro, os servidores da justiça no Rio de Janeiro estão em greve. Eles exigem o pagamento de 24,5% de reajuste conquistado na justiça pela categoria. Ao gerenciamento estadual só resta pagar, pois não existem mais recursos para recorrer da decisão. Mesmo assim, os trabalhadores tiveram que cruzar os braços para serem ouvidos e para terem garantidos seus direitos. Licenças sindicais de diretores do Sindjustiça (Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário) foram canceladas, mais de 40 trabalhadores ligados ao sindicato foram removidos para regiões afastadas da capital e os meios de comunicação da categoria foram perseguidos pela turma de Sérgio Cabral e seu apadrinhado desembargador e presidente do TJ, Luiz Zveiter.
No dia 28 de outubro, mais de 700 servidores compareceram à assembléia da categoria na porta do Tribunal de Justiça do Rio e, unanimemente, decidiram continuar com a greve, que completava seus primeiros dez dias. Em seguida, os trabalhadores fecharam a Avenida Presidente Antônio Carlos — uma das principais da cidade — e seguiram em caminhada pelas ruas do Centro do Rio.
No mesmo dia, cedendo à pressão da greve dos servidores, o conselheiro José Adonis Callou, do Conselho Nacional de Justiça, concedeu liminar suspendendo as remoção de servidores pelo TJRJ. Mesmo assim, a categoria garante que continuará em greve até que todas as arbitrariedades sejam revertidas e suas reivindicações sejam atendidas.
Eu, particularmente, não acredito nesse tal Estado democrático de direito que as pessoas ficam alardeando, não acredito que essas questões se resolvam através de meios jurídicos e que as leis são iguais para todos, mas até mesmo os juristas mais conservadores concordam que esse reajuste precisa ser pago. Porém, mais uma vez, fica claro que as decisões judiciais só são cumpridas quando são contra os trabalhadores — disse o técnico administrativo Winter Bastos, de 36 anos.
Na próxima edição de A Nova Democracia confira matéria exclusiva sobre a greve dos servidores da justiça do Rio de Janeiro.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Declaração da escritora indiana Arundhati Roy desde Srinagar - Caxemira


Eu escrevo isto de Srinagar, na Caxemira. Jornais desta manhã dizem que eu posso ser presa sob a acusação de sedição por aquilo que tenho dito em recentes reuniões públicas sobre a Caxemira. Eu disse o que milhões de pessoas aqui dizem todos os dias. Eu disse o que eu, bem como outros comentaristas, têm escrito e dito por muitos anos. Qualquer pessoa que se preocupar em ler as transcrições de minhas palestras vai ver que eles foram, fundamentalmente, apelos à justiça. Falei sobre a justiça para o povo da Caxemira, que vive sob uma das mais brutais ocupações militares no mundo; sobre justiça para os Pandits Caxemira, que vivem a tragédia de terem sido expulsos de sua terra natal; para os soldados Dalit mortos na Caxemira, cujos corpos eu visitei em montes de lixo em suas aldeias em Cuddalore; justiça para os indianos pobres, que pagam o preço dessa ocupação em formas materiais e que agora estão aprendendo a viver no terror do Estado, que está se tornando um Estado policial.
Ontem, eu viajei para Shopian, cidade no sul da Caxemira, que no ano passado havia permanecido fechada durante 47 dias em protesto contra a brutal violação e assassinato de Asiya e Nilofer, as jovens mulheres cujos corpos foram encontrados em um riacho raso perto de suas casas e cujos assassinos ainda não foram julgados. Eu conheci Shakeel, marido de Nilofer e irmão de Asiya. Nós nos sentamos em um círculo de pessoas loucas de dor e raiva, que tinham perdido a esperança de que chegaria a 'insaf' -justiça - da Índia, e agora acreditavam que a Azadi -liberdade - era a sua única esperança. Eu conheci um jovem que pedras tinham sido disparadas nos seus olhos. Viajei com um jovem que me disse que três de seus amigos, adolescentes no distrito de Anantnag, tinham sido levados em custódia e tiveram suas unhas arrancadas como punição por terem atirado pedras.
Nos jornais alguns me acusaram de fazer "discursos de ódio”; de querer acabar com a Índia. Pelo contrário, o que eu digo vem de amor e orgulho. Isso vem de não querer que pessoas sejam mortas, violadas, presas ou tenham suas unhas arrancadas para forçá-los a dizer que são indianos. Isso vem de querer viver em uma sociedade que está se esforçando para ser uma só. Pena, a nação que tem que calar os seus escritores por falarem por suas próprias mentes. Pena a nação que tem enjaular os escritores que pedem justiça, enquanto assassinos comuns, assassinos em massa, fraudadores corporativos, saqueadores, estupradores, e aqueles que atacam os mais pobres dos pobres, vagueiam livremente.

Arundhati Roy
26 de outubro de 2010

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Adeus, Romeu Tuma, agente da reação


  Sérgio Fleury, Henrique Perrone 
e Romeu Tuma: Policiais do DOPS
Não é do nosso gosto gastar tinta com esbirros da reação. Mas às vezes, quando morre um agente da contrarrevolução, não é demais revelar seus crimes contra o povo.
No dia 26 de outubro morreu um desses elementos dos quais o povo brasileiro nunca gostaria de se recordar. Morreu Romeu Tuma.
Ele passou meses internado, se tratando de insuficiência renal e respiratória em um renomado hospital. Ele também tinha diabetes, problemas cardíacos, estava atado em aparelhos de diálise e respiração artificial. Havia sido submetido a uma cirurgia cardíaca.
Pouco, pouquíssimo sofrimento diante do que ele proporcionou a inúmeros filhos do povo brasileiro que passaram direta ou indiretamente nas suas mãos ao longo de décadas de serviço às forças de repressão do velho Estado brasileiro.
Não nos iludimos com a imagem de um senil de terno e gravata.
Antes de ser o senador de três mandatos, recentemente filiado ao PTB, Tuma pertenceu aos quadros do PFL de Antônio Carlos Magalhães.
Desde meados dos anos de 1950 Romeu Tuma era quadro das forças policiais e entre 1964 e 1985 foi o “Xerife”, macabro nome frio adotado por ele durante o gerenciamento militar-fascista.
Entre 1977 e 1983, ele foi nada mais nada menos que diretor-geral do Departamento de Ordem Política e Social – Dops de São Paulo: antro de tortura e assassínio de militantes revolucionários que se batiam contra o regime fascista, pela libertação de nosso país, pelo socialismo, o mesmo lugar onde atuou o famigerado Sérgio Paranhos Fleury.
Foi acusado de participar da estrutura pusilânime que ocultou cadáveres de militantes revolucionários mortos sob tortura nos cemitérios de Perus e da Vila Formosa, em São Paulo, na década de 70.
O Ministério Público Federal recomendou, em novembro de 2009, que Romeu Tuma perdesse suas funções públicas e/ou aposentadorias devido aos crimes de lesa-humanidade dos quais era acusado.
Em maio deste ano, o juiz Ali Mazloum, da 7ª Vara Federal de São Paulo, concluiu que Romeu Tuma estava ciente das ocultações de corpos de militantes revolucionários praticadas pelo Dops e pelo Doi-Codi.
Nomeado pelo general Figueiredo como superintendente da Polícia Federal em São Paulo, Tuma, durante o gerenciamento Collor, se encarregou do sumiço de arquivos dos órgãos de repressão do gerenciamento militar antes de serem tornados públicos.
Este foi Romeu Tuma, que durante três longos mandatos como senador manteve-se atado ao velho Estado, sugando do erário, após décadas de serviços prestados à reação. Morreu sem ser publicamente julgado e condenado, sem que se faça justiça pelos tantos filhos do povo que seviciou.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Ossadas encontradas podem ser de guerrilheiros do Araguaia

No dia 21 de outubro foram encontradas novas ossadas de possíveis combatentes da Guerrilha do Araguaia em Xambioá – TO.
A descoberta foi feita por um grupo que se empenha na busca dos restos mortais de guerrilheiros ocultados pelo gerenciamento militar durante a Guerrilha do Araguaia.
As ossadas encontradas estavam enterradas sob a área acimentada do cemitério de Xambioá, a uma profundidade de 1,25m , à direita da entrada principal do cemitério. Na mesma região, um colaborador do grupo afirmou ter enterrado, os corpos de quatro guerrilheiros nas proximidades do Axixá, mas até o momento não foram localizados.
As ossadas passarão por exame laboratorial no IML de Brasília, mas não há previsão de quando serão enviados para lá. Seguramente depois que as cortinas do teatro eleitoral fecharem e sem muita pressa, pois a gerência do oportunismo, incluindo o pecedobê não está ansiosa para esclarecer o assunto.
Os guerrilheiros, tombados no Araguaia são heróis nacionais, membros do então Partido Comunista do Brasil – PCdoB, que entregaram generosamente suas vidas para libertar nosso povo da dominação imperialista. Esclarecer as condições de seu assassinato, punir os responsáveis e entregar seus restos mortais às famílias são questões de honra para o proletariado, democratas e patriotas.

Destes quase não se falou


Foto UOL
A profissão de mineiro sempre foi das mais arriscadas e exploradas. Inúmeros filhos do proletariado jazem nas profundezas da terra enquanto seus patrões enchem os bolsos se apropriando de sua produção de minerais estratégicos e metais preciosos. Acidentes - se é que se pode chamar assim – fatais são comuns bem como o descaso quanto a eles. Enquanto existem helicópteros para resgatar qualquer burguês enfartado, a sonda que resgatou os mineiros do chile teve de ser construída.
Isso não impediu o presidente chileno Sebastián Piñera de transformar o resgate dos mineiros em palanque e capitalizar a tragédia dos trabalhadores. Enquanto isso, no Equador, sem a luz dos holofotes do monopólio dos meios de comunicação, familiares dos também mineiros Angel Vera e Pedro Mendoza ficaram sabendo que seis dias após um desmoronamento, seus corpos foram encontrados.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

França: Crescem os protestos contra o governo reacionário de Sarkosy.


Traduzido do blog Dazibao Rojo
A França vive uma autêntica revolta contra as medidas antipopulares do governo do Presidente Sarkosy.
A chamada para cerrar filas, feita pelo presidente a seus ministros tem como finalidade ocultar uma realidade em que o escândalo Bittencourd ou as práticas racistas nas expulsões de ciganos desacreditaram “le petit Nicolás”. [“o pequeno Nicolás” em português, em alusão a Nicolas Sarkosy, presidente da França]
As greves indefinidas em setores chaves da economia burguesa, transportes, hidrocarbonetos, portos etc. está pondo o Estado contra a parede e são cada vez mais altas as vozes que clamam pelo cancelamento dos planos de um governo desacreditado e antipopular. Nos próprios setores da burguesia e mesmo no partido governamental cresce o sentimento de que não são momentos para apostas pessoais de “tudo ou nada” próprias das megalomanias de um presidente cada vez mais isolado.
O fantasma de um novo maio de 68, quando as greves se estenderam por quase todo o país e o paralisaram, naquele momento a cumplicidade dos revisionistas do PCF (Partido Comunista da França) permitiu por fim à revolta, que se espalhava pelas ruas das principais cidades francesas.
Convocou-se uma nova greve para o dia 19 de outubro. Ainda que uma só das 12 refinarias da França não tenha sido fechada pelos manifestantes o governo tentou alamar a população. Ainda assim uma dezena de postos de gasolina reportaram escassez devido a uma corrida de compradores temerosos de ficar sem combustível.
“Não haverá escassez de gasolina nos postos”, declarou o secretário de Transportes, Dominique Bussereau, mas não quis dizer se o governo considerava usar suas reservas estratégicas de petróleo. “Temos o que é necessário para ficar mais ou menos um mês sem problemas”, assegurou.
Um estudante foi ferido à bala de borracha disparada pela polícia nos subúrbios parisienses enquanto que outro foi levado ao hospital em Burdeos depois dos enfrentamentos. Em Lille, os estudantes queimaram um carro e latas de lixo.
A incorporação da juventude aos protestos dos trabalhadores gerou uma inquietação na oligarquia francesa, consciente do mal estar generalizado e do aumento da intensidade da luta de classes.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Querem cassar o único palhaço legítimo


Constrangido pelos mais de 1,3 milhão de votos obtidos por Tiririca, o circo da farsa eleitoral quer cassar o único palhaço legítimo, que foi para a TV fazer palhaçadas risíveis e não aquelas que irritam e constrangem nosso povo em seu dia a dia. Não se trata aqui de defender a palhaçada na política e muito menos de rogar por seriedade no picadeiro eleitoral, mas de desmascarar a hipocrisia. Tiririca foi utilizado para puxar votos para sua coligação e com certeza elegeu dois ou três na sua aba. Os que nele votaram o fizeram pela total descrença no processo eleitoral.
E agora que a lona é desmontada para ser reerguida em Brasília, querem descartá-lo.
As alegações também são hilárias. A primeira de que é analfabeto, mesmo depois de ter comprovado ser alfabetizado em declaração escrita de próprio punho no ato do registro da candidatura, “como manda a lei”. Se não foi assim, então é só mais um indício da podridão de todo o processo eleitoral. O outro argumento é ainda mais engraçado. Seria a possível omissão da declaração de bens no pedido de registro de candidatura. Para essa ação, o Ministério Público Eleitoral se baseou no art. 350 do Código Eleitoral, que prevê pena de até cinco anos de reclusão e o pagamento de multa por declaração falsa ou diversa da que deveria ser escrita para fins eleitorais em documento público. Qualquer apuração, por mais fajuta que fosse, deste crime entre os eleitos deixaria Brasília às moscas, o que não seria de todo mau.
Pode até ser que não hajam analfabetos no Congresso, mas prestidigitadores de contas públicas e declarações de renda existem aos montes. Só para citar um exemplo famoso um senador eleito pelo Rio de Janeiro declarou um patrimônio de R$30 mil e disse que o resto, carrão, mansão …, pertencia a Deus.
Em tempos de crise do Estado, nem a palhaçada pode ser de verdade.